O Sonho de Bernardo


Uploaded by Staaaanley on 10.11.2008

Transcript:
- Ô mulé, vamo visitar a Cléo e o Stanley.
- Ai, vamos.
- Vamo bora.
- Que belo dia.
- É.
- Toma aí.
- Pronto, chegamo.
- É hoje que eu dou um jeito nesse guri.
- Oi Cléo, viemos fazer uma visitinha.
- Oi gente, tudo bom? Eu ja tava com saudade.
- Entrem que o Stanley ta resolvendo um probleminha e ja ta vindo.
- Ele ja vem.. pô, vamo entrando. Vamo se sentar aqui um pouquinho.
- Stanley?
- E aí amiga, me conte, quais são as novidades?
- Eu e o Edegar estamos pensando em adotar um cachorro.
- Ô Edegar.
- Ô Stanley.
- E aí vamo beber alguma coisa?
- Fecho.
- Que raça de cachorro você ta pensando em adotar amiga?
- Eu estava pensando em adotar um poodle ou um pincher.
- Ai, eu prefiro cachorros grandes, como rottweiler.
- Eu tenho medo de coisas grandes.
- Bom esse uísque hein. Mas e aí, e o Bernardo, pegando muita mulé?
- Pois é, to com uns probleminha aí, mas ja to resolvendo.
- E aí mulé.
- Poxa, mas tu ja ta bêbado? Vai pra casa, agora.
- Ei tiozinho, dá a grana, dá a grana tiozinho.
- Dá a grana, não não não, o tiozinho dá a grana.
- Ô meu, peraí peraí.
- Tu sabe onde é que é o bar da Hilda?
- Bar da Hilda?
- Aqui ó, duas quadras pra baixo dobra a direita. Bar da Hilda bem grande.
- Valeu, otário.
- Me roubaram, vou ligar pra polícia.
- Alô, polícia?
- Alô, Edegar? Ja to indo.
- Pra onde ele foi?
- Pra lá.
- Não, pra lá.
- Ou será que foi pra lá?
- Eles estão demorando, vamos ver o que está acontecendo?
- Aí, vamos.
- Edegar, que que houve Edegar? Que que houve? Que que houve?
- Te levanta, te levanta aí. Te levanta, vamo pra casa.
- Não pai, não não não.
- Já não te disse pra parar com isso?
- Moleque.
- Ai não pai, não.
- Ah, essa vizinhança não é fácil.
- Esse guri.
- Só você me entende, quando é que meu pai vai entender que o meu sonho é ser bailarino.
- Stanley, bora pro bar da Hilda.
- Hilda, me dá dois martelinho aí.
- A Favorita, Donatela.
- Oi Cléo.
- Oi.
- Ta sozinha?
- To, to.
- Tava pensando em entrar aí pra gente aproveitar o final da tarde.
- Ah, não sei.
- Vem, entra aqui então.
- Oi amiga.
- Ai que susto Goreth, como você entrou?
- A porta estava aberta e eu entrei.
- Senta aqui então, vamos conversar.
- Está bem.
- E aí amiga, o que você fez hoje de tarde?
- Ai amiga, eu nem lhe conto.
- CONTA, CONTA, CONTA.
- Ta bom, eu conto. Lembra daquele meu velho amigo?
- Qual?
- Um loirinho.
- Aquele que estudava junto conStigo?
- É. Ele veio me visitar. HIHIHI
- Que isso Bernardo? Segue com essa bobagem de balé? Vai jogar futebol guri.
- Ja estou cansado disso.
- Ai amiga foi tão boa a minha tarde.
- Mãe, mãe. Vem cá mãe.
- Vai la ver o que ele quer.
- Espera aí, eu ja volto.
- O que foi filho? O que foi?
- Senta aqui mãe.
- O que foi filho?
- Eles não entendem que o meu sonho é ser dançarino de balé.
- Filho eu ja falei, não se preocupe, com o tempo tudo se ajeitará e eles entenderão você.
- Ô Stanley.
- Ô Edegar.
- Esse aí que é teu bebê?
- É a cara do papai.
- Stanley, porque você não resolve dar uma chance ao Bernardo
e vai assistir a um dos espetáculos dele?
- Vou pensar.
- Pense com carinho, ele é nosso filho.
- Esse é meu garoto!